Siemens quer participar na transformação da Madeira em smart island

·   Multinacional alemã esteve no Smart Funchal’17

·   Siemens apresentou soluções inovadoras nas áreas da energia, indústria, mobilidade e edifícios

·   Empresa tem longo historial de aplicação de tecnologia e inovação em todo o arquipélago

A Siemens quer ajudar à transformação da Madeira na primeira smart island portuguesa e foi com esse objetivo que esteve, na semana passada, no Smart Funchal’ 17, onde apresentou um conjunto de soluções que podem contribuir para o desenvolvimento energético, urbanístico, industrial e tecnológico da ilha, garantindo maior inovação, sustentabilidade e competitividade.

“Já participámos e continuamos a participar em diversos projetos de vital importância no Arquipélago da Madeira, e estamos convictos de que o conceito smart pode também ser aplicado em ilhas, com claros benefícios energéticos, de mobilidade e para as infraestruturas fundamentais ao desenvolvimento social e económico de toda a região”, afirma Hélio Jesus, diretor de tecnologia da Siemens Portugal.

Devido às suas características intrínsecas, as ilhas tornaram-se nos últimos anos laboratórios vivos de destaque para as iniciativas voltadas para o futuro, em termos de construção de sistemas energéticos autossuficientes e eficientes. A Siemens conta no seu portofólio com um vasto leque de soluções já testadas nesta e noutras áreas (indústria, mobilidade ou tecnologia de edifícios), que podem facilmente ser implementadas na Madeira, contribuindo para a criação de negócios e emprego, para o aumento da produtividade e competitividade da região e para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos.

Sempre com a inovação como mote, a Siemens tem sido pioneira na defesa e criação de Cidades/Ilhas Inteligentes um pouco por todo o mundo, e Portugal não é exceção. Um dos 20 Centros de Competências (CoCs) da Siemens, sedeados em Portugal é exclusivamente dedicado a Micro-Redes e Armazenamento de energia, conceitos fundamentais para o conceito de Smart Islands.

 

Tecnologia em destaque na SmartFunchal

 

A tecnologia blockchain, já usada nos EUA, é um método inovador de armazenamento e de validação de dados que permite transações diretas entre produtores e consumidores de energia. As transações são registadas de forma rastreável e inviolável em sistemas distribuídos sem necessidade de monitorização centralizada, permitindo um maior controlo e autonomia, e salvaguardando a eficiência. Uma solução ideal para ilhas, e que pode ser instalado no porto do Funchal.

Porém, transformar a Madeira numa smart island é um desafio que vai além da energia. A ligação entre Funchal e o Porto Santo é ideal para as soluções de propulsão elétrica da Siemens, tornando mais eficaz e menos poluente o trajeto que une as duas ilhas. Os sistemas de propulsão híbrido-elétricos permitem uma redução significativa do consumo de combustível e diminuem o ruído dos ferries. As metas da União Europeia para as emissões de CO2 estipulam uma redução de 75% até 2050, quando comparadas com os valores registados no ano de 2000, e não é possível atingir estas metas ambiciosas com tecnologias convencionais.

Na área da mobilidade é possível uma gestão de tráfego muito mais eficaz, sistemas de iluminação de vias públicas mais eficientes, semáforos de baixo consumo e o recurso a modos de transporte suaves e/ou partilhados, com a inerente redução das emissões de CO2. O conceito de smart island engloba ainda a eficiência dos edifícios, que devem ter padrões elevados de conforto (temperatura, iluminação, qualidade do ar) e segurança (controlo de acessos, intrusão, vídeo vigilância e incêndio), uma vez que é neles que se centram os maiores consumos de energia das cidades. Otimizá-los e torná-los mais eficientes é o primeiro passo para contribuir para as cidades mais verdes.

 

Siemens e a Madeira

 

Nos últimos anos, a Siemens tem implementado na Madeira um conjunto de soluções que trouxeram benefícios claros para a região. A título de exemplo, na área de energia, no projeto da Hidrelétrica da Calheta, a Siemens é responsável pela engenharia, fabrico e fornecimento do equipamento elétrico. Este projeto, da responsabilidade da Empresa de Eletricidade da Madeira, é de importância vital para o desenvolvimento do sistema electroprodutor da Região Autónoma e contribui de forma muito favorável para os objetivos das políticas energéticas, nomeadamente no que diz respeito aos compromissos assumidos pelo país em matéria de redução de emissões de CO2.

Ainda na área da energia, e em regime de chave na mão, a Siemens foi responsável pela engenharia e construção de várias subestações, nomeadamente Calheta, Livramento e Lombo do Faial. Na área da mobilidade aeroportuária a Siemens foi responsável pelo fornecimento do sistema de tratamento de bagagem e screening/raio-X das bagagens de porão.

Mais informação em:

http://www.smartfunchal.com/

Brooklyn (Case study)  https://www.siemens.com/innovation/en/home/pictures-of-the-future/energy-and-efficiency/smart-grids-and-energy-storage-microgrid-in-brooklyn.html

 

LREC apresenta Sistema de Alarme de Aluviões da RAM (SAARAM) no SMARTFUNCHAL’17

O Laboratório Regional de Engenharia Civil (LREC) irá apresentar no dia 12 de maio no SMARTFUNCHAL’17 – Cities & Tourism Summit, um sistema inovador de comunicações com vista à identificação de Aluviões na Região Autónoma da Madeira.

Trata-se de um projeto implementado pela Wavecom , parceiro do evento organizado pelo Município do Funchal e que, além dos temas relacionados com o Smart Tourism, engloba ainda tópicos e casos concretos e específicos da Madeira. Tópicos como a Resiliência, Sustentabilidade, Energia e Telecomunicações por exemplo, são estruturais para que todos os sectores económicos se desenvolvam e floresçam.

A situação especifica dos aluviões na RAM preocupa autoridades e entidades publicas, regionais e locais que unem esforços no desenvolvimento de projetos e ações que contribuam para a detecção e prevenção de destruição causada por estes fenómenos naturais.

Carlos Neves, Responsável pelo Sistema de Suporte e Manutenção do LREC, irá expor no SMARTFUNCHAL’17 um desses projetos que inclui a última geração de Redes de Comunicações em que a WAVECOM assume um papel relevante na iniciativa, fruto do seu know-how e competência reconhecida nacional e internacionalmente no sector.

 

Explicação do projecto

Comunicações do Sistema de Alarme de Aluviões da RAM (SAARAM)

 “A orografia complexa da ilha da Madeira, simplista e sumariamente caracterizada por vales profundos escavados em solos vulcânicos, com margens de inclinação acentuada, potencia os regimes torrenciais na principal rede hidrológica durante os períodos de precipitação intensa, regimes esses que associados a movimentos de massa em vertentes – por vezes agravados por fenómenos de erosão acelerada na sequência de incêndios florestais, potenciam os riscos de inundações e de aluviões nas zonas costeiras.

A Região Autónoma da Madeira tem sido alvo de aluviões de intensidade significativa em diversas ocasiões ao longo da sua história, eventos caracterizados por cheias rápidas e violentas, com transporte de material sólido em concentrações elevadas e são causadores de devastações fulminantes com um enorme impacto social e económico. Para além das inundações, tais fenómenos têm impacto negativo relevante nas zonas costeiras por via do da sedimentação da orla marítima, em particular em zonas de dinâmica costeira condicionada por infraestruturas portuárias.

Os municípios da Região fizeram constar, nos devidos planos de gestão, os riscos naturais, os riscos tecnológicos e os mistos mais relevantes nos respetivos espaços geográficos, sendo praticamente unânime a referência aos regimes de precipitação (subcategoria de riscos naturais associados a condições climatéricas adversas), às cheias e as inundações (subcategoria de riscos naturais hidrológicos), aos movimentos de massa em vertente e às erosões costeiras (subcategoria de riscos geodinâmicos externos), aos incêndios florestais (subcategoria de riscos mistos relacionados com a atmosfera.

As comunicações são um dos pontos críticos de muitos projetos de Riscos Naturais concebidos para situações de catástrofe. O 20 de Fevereiro de 2010 foi um exemplo de colapso de comunicações devido essencialmente à rutura de cabos, quebra de energia e saturação das redes convencionais de GSM e de emergência.

A conceção dum sistema de telecomunicações para telemetria em zonas isoladas, de acesso restrito, localizadas em vales profundos, com escarpas íngremes e com riscos elevados de escorregamentos a montante e jusante é, por si só, complexa com poucas garantias de fiabilidade em situações similares ao ocorrido no 20 de Fevereiro. Nesse sentido o projeto do LREC foi sujeitos os diversos cenários e análise de soluções alternativas, nomeadamente redes GSM, fibra ótica, satélite, e redes privadas de radio telecomunicações.

A melhor solução, face aos limites orçamentais, e às características inexpugnáveis da maioria dos locais, e aos custos do tráfego, foi aquela que garantia minimamente a sustentabilidade técnica e financeira do projeto a curto e médio prazo. Nesse sentido, o LREC decidiu construir uma rede de comunicações digital a partir dum mínimo de pontos estratégicos com autonomia energética alimentada por painéis solares e baterias.

A estratégia para a implementação do projeto passou por se conceber e projetar nos 5GHz uma rede de Telecomunicações Digital com um débito garantido de 100Mbs, suficiente para a transmissão de imagens em tempo real e de outros dados de telemetria de diversos sensores instalados ao longo das zonas de risco.”

 

Portugal Telecom: “Queremos ser os principais parceiros das Smart Cities”

A Portugal Telecom é um dos parceiros principais do SMARTFUNCHAL’17 e vai demonstrar no evento como uma Telco é neste momento mais do que uma Telco.

Trata-se de demonstrar que a infraetrutura e as redes de comunicações são o ecossistema perfeito para implemenar projectos sustentáveis em todos os sectores e verticais.

A PT estará representada por um alto quadro responsável que integra o Depertamento de Smart Cities, Raul Bordalo Junqueiro.

Notícia Revista Smart Cities:

As cidades inteligentes passaram a estar na mira da Portugal Telecom (PT). A empresa do grupo Altice apresentou  a sua estratégia B2B (business to business), com a qual afirma querer ser mais do que uma empresa de telecomunicações (telco). Neste alinhamento, as soluções para smart cities não ficam de fora.

“Estamos a falar de Internet of Things [IoT] e na possibilidade de utilizar a tecnologia para outros meios que não o normal das telecomunicações”, explicou Paulo Neves, CEO da PT.

Com a nova estratégia B2B, a PT Empresas oferece soluções BPO (Business Process Outsourcing) e soluções de tecnologias de informação e comunicação (TIC). É nestas últimas que se encaixam as áreas IoT e M2M (machine to machine), que serão a principal aposta da PT na abordagem às cidades.

Soluções de gestão de telemetria de água, de eficiência energética em infra-estruturas e equipamentos, e gestão agrícola e de espaços verdes compõem, para já, o portefólio disponível.

“Queremos ser o parceiro tecnológico das empresas em todos os segmentos, garantiu João Sousa, chief sales officer da PT. Com isto em mente, a empresa diz-se determinada em ajudar start-ups, empresas e clientes corporate, mas também “ajudar a sociedade”, em particular as autarquias.

“O nosso objectivo é oferecer soluções, neste caso, às autarquias, para conseguir oferecer um pacote global, utilizando a tecnologia nos segmentos das utilities, água, esgotos. Queremos conseguir oferecer uma série de soluções”, rematou Paulo Neves.

Actualmente, a quota de mercado da PT no mercado B2B é de 48%. Com esta estratégia, a empresa assume a vontade de aumentar esta percentagem, assim como de aumentar as suas receitas.

(Filipa Cardoso)

Siemens Junta-se ao Smart Funchal 2017 e promove soluções para Smart Islands

Uma aposta da multinacional na promoção de soluções sustentáveis para as Smart Islands focadas na eficiência energética, smart grids, soluções de micro-geração e outras inúmeras inovações que a gigante alemã tem desenvolvido nos mais diversos sectores da indústria, residencial e de comunicações.

A presença de altos quadros da Siemens no SMARTFUCHAL’17 – Cities & Tourism Summit é uma oportunidade para os stakeholders locais e regionais poderem conferir soluções para o futuro e formas de otimizar os recursos seja nos setores turístico como de utilities e outras áreas transversais.

Hélio Jesus – Head of Technology da divisão de EnergyManagement e responsável pelo centro de competências de micro-redes e armazenamento de energia, represnetará a Siemens no dia 11.
No dia 12, haverá uma intervenção de outro alto quadro, neste caso Miguel Rodrigies – Responsável pela área de gestão de tráfego inteligente e Account Business Manager para as cidades

BEM VINDOS AO SMARTFUNCHAL’17

O Funchal organiza este congresso no ano internacional do Turismo Sustentável porque, apesar de sermos uma cidade com mais de 200 anos de experiência turística e reputação internacional, os tempos exigem que andemos mais à frente e a Economia é marcada pela inovação. As smart cities e as novas tecnologias são, por isso, um campo claro onde podemos progredir, partindo do nosso turismo tradicional, e dos seus alicerces num passado de sucesso, para projetar o Futuro e para sermos competitivos em termos de Futuro.

O objetivo do Funchal é continuar a ser o catalisador do que é o Turismo na Região. A nossa aposta nesta cimeira é, assim, o repto a que o destino Funchal se adapte aos novos tempos, porque as cidades inteligentes já não são uma moda, são uma realidade e temos de saber usar as ferramentas que são as tecnologias emergentes para conseguir promover a cidade a nível turístico, fazendo com que o nosso destino tenha um valor acrescido. Este é um passo significante em termos da nossa economia do conhecimento e vai-nos ajudar a conhecer a fundo o mercado turístico em que nos movemos, bem como tirar ilações de que experiências podemos continuar a criar para os nossos turistas, porque somos um destino de experiências.

Na nossa Estratégia Municipal de Turismo, publicada no ano passado, constava isso mesmo, bem como a convicção de que os destinos têm de ser inteligentes e de que é inevitável que o Turismo se adapte às novas tecnologias, despoletando novas experiências a partir daí. Queremos, desta forma, trazer ideias, experiências e conhecimentos, e juntar cidadãos, empresas e políticos nesta discussão, mas queremos, acima de tudo, que daqui saiam ações consequentes para o futuro do Funchal. Temos de estar virados para o Futuro e o Futuro são as Cidades Inteligentes.

PAULO CAFÔFO

(Presidente da Câmara Municipal do Funchal)

Junte-se ao VIP Smart Dinner!

Já com o SMARTFUNCHAL’17 concluído, nada melhor do que descontrair e relaxar com uma fantástica ceia que terá lugar no RESTAURANTE DO FORTE.

O Restaurante Do Forte, fundado em 2001, está situado na histórica Fortaleza de São Tiago (século XVII) e distingue-se pela sua diversidade gastronómica e pelo seu serviço de excelência. Dispomos dos mais variados serviços desde pick-up com Carros Clássicos, Música ao Vivo e Pacotes Exclusivos como o nosso Golden Package. Um lugar verdadeiramente único que combina uma cozinha internacional com ingredientes característicos da gastronomia madeirense. Desde um Jantar Romântico ao seu Casamento de Sonho, não há limites para a imaginação e para forma a versátil como este espaço é interpretado, numa experiência que envolve todos os sentidos.

 Um Smart Dinner recheado de surpresas, boa disposição, boa música e, como não podia deixar de ser, uma refeição a condizer proporcionada por este espaço único na Madeira:

MENU (Geral)

  • COUVERT – Pão e manteiga
  • ENTRADA – Gambas em salmoura de flor de sal de ervas e citrinos, puré de ervilhas e rebentos da horta com frutos do bosque
  • CARNE – Tornedó sobre cogumelos silvestres, batata doce, aveia tostada e fricassé de  legumes
  • SOBREMESA – Fondant de chocolate com gengibre em molho de chocolate branco e gelado Com frutos silvestres e Café

MENU (Alternativo/Vegetariano)

  • ENTRADA – Almôndegas de tofu e cenoura em leve molho de tomate desidratado
  • PRINCIPAL – Mil folhas de batata doce com espinafres, pinhões e ratatuille de legumes
  • SOBREMESA – Fruta da época laminada aromatizada com redução de menta

(Caso exista alguma restrição alimentar, ou outro tipo de escolha o nosso chefe poderá substituir o sugerido por outro prato, temos de ser informados da situação com antecedência.)

A presença da estrela televisiva internacional Kevin Brauch e dos restantes oradores neste jantar, bem como parceiros, organização e convidados institucionais criará sem sombra de dúvidas a atmosfera perfeita para encerrar com “Chave-de-Ouro” o SMARTFUNCHAL’17 – Cities & Tourism Summit.

PREÇO POR PESSOA: 40€

LUGARES LIMITADOS, GARANTA JÁ O SEU!

 

Mais sobre o Restaurante do Forte

Mais sobre Kevin Brauch

 

 

Projecto SMIITY implementa-se na Madeira

 

A SMIITY é uma plataforma de turismo acessível, gratuita e compatível com dispositivos móveis iOS e Android, que permite às regiões, cidades e/ou monumentos comunicar com turistas e cidadãos. Como? Disponibilizando ao utilizador, no seu idioma, notícias, eventos, pontos de interesse, percursos pedestres e muito mais.
Através da interacção com beacons, pequenos emissores de sinais que enviam estes conteúdos para o dispositivo móvel do utilizador através de Bluetooth Low Energy, estes conteúdos podem ser automaticamente apresentados ao utilizador, sem que este tenha de os procurar.
A Madeira, nomeadamente o Funchal, contará com a instalação de vários beacons em diferentes pontos da cidade, nomeadamente no Museu da Quinta das Cruzes, proporcionando uma experiência mais dinâmica e interactiva para os cidadãos e turistas.
A SMIITY é uma plataforma desenvolvida pela Startup Mobinteg que tem dado provas sólidas de desenvolvimento de tecnologias para o sector do turismo e também, com esta marca, abraçar o conceito das Smart Cities e Smart Destinations.
A SMIITY é um dos parceiros do SMARTFUNCHAL’17 – Cities & Tourism Summit.

Conteúdo originalmente publicado aqui

Wavecom parceira do Smart Funchal 2017

A Wavecom, empresa pioneira em produtos e soluções wireless, estabelece parceria com o Smart Funchal 2017. Estabelecida em 2000, a Wavecom é uma empresa de engenharia de comunicações sediada em Aveiro, com uma forte componente de Integração e Desenvolvimento.

A Wavecom está vocacionada para a área de redes wireless, com base num núcleo de engenheiros com um passado profissional ligado à I&D em telecomunicações, nomeadamente rádio-frequência e Microondas no Instituto de Telecomunicações.

A empresa iniciou a actividade como integrador de telecomunicações especializado em soluções wireless, expandido para a área de Comunicações Unificadas. Conta actualmente com 25 colaboradores e além de uma presença em Cabo Verde e Brasil.

O core business da Wavecom consiste no desenvolvimento e integração de soluções de telecomunicações com especialização nas tecnologias rádio e nas tecnologias de comunicações unificadas.

A Wavecom é uma empresa que se articula em três grandes áreas: Redes Wireless e Networking, Comunicações Unificadas e I&D.

 

Redes Wireless e Networking:

  • Ligações Wireless Dedicadas;
  • Ligações Wireless Privadas;
  • Redes Wireless Metropolitanas;
  • Last Mile Wireless;
  • Backbone Wireless;
  • Rádio Localização;
  • Hotspots Públicos (WI-FI e WiMax);
  • Rádio Trunking;
  • Vídeo Vigilância IP;

Comunicações Unificadas;

  • IPBX
  • Media Gateway
  • SABQR ( Billing)
  • SBC ( Security)
  • TALK (
  • I&D: Wireless, Gestão de Redes e VOIP.

Funchal quer ser referência “smart” das cidades insulares

A Câmara Municipal do Funchal promove o primeiro Congresso Internacional sobre Smart Cities, com incidência no Smart Tourism, aproveitando a reputação internacional que este setor já possui.  

A primeira edição do SMART FUNCHAL- Cities & Tourism Summit, acontece nos dias 11 e 12 de maio, em plena Festa da Flor, que deixa ainda mais engalanada e deslumbrante a capital da ilha da Madeira. Um congresso que conta com cerca de 20 oradores, alguns locais, mas essencialmente internacionais, que levam a esta cidade a sua experiência, estudos e investigações, casos de sucesso, ou simplesmente ideias e opiniões bem fundamentadas, emitidas por opinion makers de elevado prestigio mundial.

É o caso da estrela televisiva Kevin Brauch, anfitrião do programa The Thirsty Traveler, que em cada episódio explora a terra, as pessoas, a produção, as empresas, costumes, tradições, alimentos e histórias relacionadas com a bebida mais conhecida da cidade ou região em causa. Kevin Brauch é um amigo da Madeira e de Portugal, que promete um grande momento de descontração, partilha e, claro está, comunicação especializada, competente e credível.

Na lista de oradores já confirmados está Luigi Cabrini, Chairman, Global Sustainable Tourism Council (GSTC) & Advisor of the UNWTO Secretary-General. Uma verdadeira autoridade quando se fala de Turismo sustentável e responsável, de turismo inclusivo. Recordamos que 2017 é precisamente o Ano Internacional do Turismo Sustentável, proclamado pelas Nações Unidas. Luigi Cabrini é o rosto visível na mudança de paradigma defendida e vai trazer ao Funchal a sua visão na definição da estratégia que se impõe.

Luis Araújo, Presidente Turismo de Portugal, também é presença confirmada, o homem que em Portugal encabeça as estratégias promocionais externas, que vai revelar projetos e objetivos e falar em particular da importância das ilhas para o Turismo de Portugal, na fonte de atração e na imagem de enorme qualidade que representam as cidades insulares no contexto internacional.

Frank Cuypers, Destination Think! . Especialista em estratégias de marketing para o desenvolvimento de destinos turísticos vai partilhar, no Funchal, as suas ideias e projectos, a sua visão, de como promover correctamente um destino de qualidade.

Mas o SMART FUNCHAL – Cities & Tourism Summit é promovido também para pensar as cidades em toda a sus transversalidade. A dinâmica que se impõe exige reflexão. A inteligência é um pilar que tem de se fundamentar na informação, no conhecimento, na partilha.

Joe Dignan, Future Cities Catapult, Piero Pelizzaro, Milan Smart City (Climate Change Adaptor Expert) são exemplos de oradores que trazem experiências de sucesso, casos práticos, já implementados e testados.

Muitos outros se vão juntar neste palco, decisores públicos, empresários, criativos, planeadores e estrategas urbanos, escritores e sonhadores. Um palco onde se vão debater oportunidades e desafios, em particular para as ilhas, em questões como a eficiência, a planificação urbanística, o desenvolvimento económico e social, a conectividade, o desenvolvimento económico  mas também a inclusão, a comunicação, a implementação de politicas que vão de encontro às pessoas, para garantir comunidades mais felizes, mais preparadas e disponíveis para receber os turistas, mais capazes de se assumirem como parceiras pró-ativas na implementação de estratégias promocionais da cidade no seu todo.

O SMART FUNCHAL- Cities & Tourism Summit quer ainda ser um ponto de encontro entre decisores, cidades e empresas, na busca de novas ferramentas que mitiguem os problemas que afectam as ilhas, como a população flutuante, a captação de talentos, a mobilidade (local, nacional e internacional), a resiliência, as alterações climáticas, etc.

Há assuntos que são particularmente caros ao Funchal e à Madeira, muitos deles têm a ver com as alterações climáticas, com as adversidades naturais, as cheias, os incêndios e outros fenómenos aparamente incontroláveis e com efeitos deveras catastróficos. O Funchal é um verdadeiro exemplo de resiliência humana, com uma enorme capacidade de reconstrução a partir do caos, com invejável determinação de renovação, de optimismo e determinação para recuperar.

A prevenção, a antevisão, a planificação e a estratégia para enfrentar a adversidade são também temas a analisar e a debater no  SMART FUNCHAL- Cities & Tourism Summit.

Este Congresso, promovido pelo município do Funchal, é coordenado pela Conteúdo Chave Lda., uma uma Agência Criativa e Inovadora especializada em Novas Tecnologias de Comunicação e Informação adaptadas aos tempos que se vivem, de mudança de mentalidade e ferramentas. Uma agência que nos últimos anos se dedicou à temática das Smart Cities e Turismo Inteligente, sendo hoje uma referência internacional, levando os seus contributos a eventos por todo o mundo e organizando Congressos com os mais prestigiados Speakers em Portugal e também no estrangeiro.

A Conteúdo Chave integrou, desde a primeira hora, o projeto de constituição do Cluster Smart Cities Portugal, sendo a única Agencia de Comunicação e Inovação associada ao Cluster, pertencendo aos seus órgãos sociais.

O trabalho desenvolvido pela Conteúdo Chave valeu ao seu CEO, Vítor Pereira, a atribuição do prémio Personalidade do Ano Smart Cities 2015.

Principais Eixos em debate

O programa do SMART FUNCHAL- Cities & Tourism Summit, está em permanente actualização mas prevê, na sua definição, cinco grandes eixos:

SMART TOURISM (Apps, Realidade Aumentada, Realidade Virtual, i-Beacons)

SMART CITIES (Sustentabilidade, sociedade, estratégia, mobilidade, Resiliência, Rural and Urban Design, Planeamento, Living Labs, educação, saúde, habitação, envelhecimento)

COMUNICAÇÃO E CRIATIVIDADE (Citizen engagement, Social Media, Branding, Design, Talento, cutura, co-criação, Storytelling)

ECONOMIA (Atração investimento, parcerias público-privadas, financiamento, startups)

INDÚSTRIA (IoT, BigData, Analytics, Sensorização, Programação, Cloud, Smart Grids, Wi-fi)

Crescimento sustentado do Turismo na Europa

Num estudo recente sobre as ‘Tendências Turísticas na União Europeia’, a Organização Mundial do Turismo (OMT/UNWTO) acaba de revelar um crescimento sustentado do turismo na Europa pelo 7º ano consecutivo. Ao reconhecer o Turismo como um dos pilares estratégicos da União Europeia para o emprego e crescimento, a OMT está hoje a financiar o ‘desenvolvimento e entendimento do Turismo Europeu”.
É este o contexto do SMART FUNCHAL 2017, um evento internacional perfeitamente alinhado com as tendências e objectivos do Turismo Internacional, e em particular na leitura e debate sobre as tendências do mercado turístico, bem como na “promoção de um turismo sustentável, responsável, acessível e ético.”